No post Startup: você sabe o que é? falamos que toda startup tem como principal característica um negócio repetível e escalável.

Assim, o modelo de negócios de uma startup deve considerar como a empresa criará valor para os clientes (ou seja, qual será a sua estratégia, operação e modelo econômico) e acima de tudo, como o negócio realmente será passível de repetição e escalonamento já que, de nada adiantará você encontrar um modelo que só funcione para um pequeno grupo de pessoas.   

E porque saber isso é tão importante?

Ora, se você como empreendedor, não souber (ou pelo menos estimar) o potencial de crescimento do seu próprio negócio será muito mais difícil dar continuidade a sua ideia. Concorda?

Além disso, saiba que esse é um dos principais pontos avaliados por um investidor anjo e se nem mesmo você estiver certo do seu futuro ou das chances de sucesso, provavelmente é porque a ideia não valerá a pena. 

 

O que é escalabilidade?

 

ideia-repetivel-e-escalavel

Sua ideia é uma ideia escalável?

 

O conceito deriva do termo nativo produção de escala, onde se pode produzir repetidamente algo em grande quantidade e com ganho de produtividade.

São modelos de negócios que podem ser replicados sem demandar recursos na mesma proporção do seu crescimento, ou seja, que permitem atender um maior número de pessoas ou fabricar um maior número de produtos sem necessariamente alterar sua estrutura inicial. 

A escalabilidade está diretamente relacionada à capacidade do seu negócio de atender um número crescentes de clientes, sem aumentar seus custos. Assim, para ter uma ideia escalável você deve sempre avaliar se para o seu desenvolvimento (crescimento) será necessário algum investimento de capital financeiro e/ou humano na mesma proporção.

 

Como ser escalável?

 

Para isso é importante que sua startup já tenha o chamado product/market fit, ou seja, já tenha identificado uma necessidade no mercado e lançado um produto que possa suprí-la. Acredeite: decidir tornar seu negócio escalável antes disso é apenas desperdício.

Assim, de forma muito simples, você saberá se tem/terá uma ideia ou negócio escalonáveis se eles são/forem:

  1. Ensináveis: se todos os processos internos podem ser explicados facilmente para todos os colaboradores e os objetivos da sua startup são claros e tangíveis, o negócio pode ser expandido. 
  2. Únicos: sua proposta de valor deve ser única e quando possível exclusiva. Isso garantirá uma maior demanda para o seu negócio.
  3. Repetíveis: um “modelo de produção” que funciona e pode ser repetível, ou seja, ampliável indica que há mercado e áreas para expansão da startup.

 

Alguns exemplos de produtos escaláveis são: softwares, downloads.

 

Por que é importante ser escalável?

 

É preciso lembrar que as empresas sempre terão os custos operacionais, mas as empresas escaláveis tentam manter os seus custos variáveis ou os custos incorridos com cada cliente adquirido, a um nível baixo. Logo, se a sua empresa segue um modelo escalável, o custo por cliente não vai aumentar, mesmo se você ganhar 100 clientes durante a noite.

Portanto, ser escalável significa que a sua empresa pode ser expandida potencialmente (sem limites) o que é mais do que desejável e esperado de um empreendedor que já sabe aonde a sua empresa pode chegar!

Então, a sua ideia ou o seu negócio são escaláveis? 


E você, o que pensa sobre o assunto? Gostou do artigo? Compartilhe conosco sua opinião. Não gostou? Acha que podemos melhorar? Então nos ajude a aprimorar nosso trabalho.

Siga o Startup Sorocaba no Facebook e cadastre-se para receber nossa newsletter e para ser informado sobre todas as novidades.

Compartilhe:

O termo startup pode ser e é facilmente associado ao empreendedorismo e à inovação e geralmente remete a empresas como Google, Apple e outras que hoje são referências em seu mercado de atuação.

 

Mas, você sabe o que é uma startup?

 

O termo muito comum nos EUA, se popularizou aqui no país durante o advento da bolha da internet ou bolha das empresas ponto (bolha especulativa caracterizada por uma alta das ações das novas empresas de tecnologia de informação e comunicação – TIC, no final da década de 90). Nesse fenômeno o preço de um ativo cresce aceleradamente em função apenas da especulação e no momento em que os especuladores começam a vender os ativos adquiridos para de fato gerarem lucro, as bolhas estouram.

Nesse contexto, startups eram definidas como um grupo de pessoas trabalhando a partir de uma ideia inovadora que, poderia ou não dar certo. O termo também era associado a empresas recentes, em fase de funcionamento.

 

Afinal, você sabe o que é uma Startup?

Afinal, você sabe o que é uma Startup?

 

Provavelmente você já viu e ouviu por aí inúmeras definições do que é uma startup. Alguns dizem que qualquer empresa jovem, em fase embrionária ou ainda em fase de constituição, implementação e organização de suas operações pode ser considerada uma startup. Outros defendem que é uma empresa com custos de manutenção muitos baixos, mas que ainda assim consegue crescer rapidamente e gerar lucros incrementais – sendo, portanto, sustentável por um período de tempo superior.

No entanto, uma recente definição parece ter agradado tanto startuppers quanto investidores é:

 

“Uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando com condições de extrema incerteza”.

 

Atuar em um ambiente de incerteza é cenário comum não apenas as startups, mas a todas as organizações que integram o ecossistema empreendedor, entretanto, encontrar um modelo de negócios que seja repetível e escalável confere as startups vantagem competitiva e estratégica.

Mas o que é necessário para um negócio ser repetível e escalável?

Ser repetível como o próprio nome sugere é ter a capacidade de entregar o mesmo produto ou serviço em escala potencialmente ilimitada (considerando poucas customizações ou adaptações). Você pode, por exemplo, vender a mesma unidade do produto várias vezes.

Ser escalável é ter a capacidade de crescer cada vez mais sem que isso impacte diretamente no modelo de negócios, ou seja, incrementar a receita sem necessariamente inflar os custos, até atingir um patamar em que a ordem receita x custo seja inversamente proporcional, garantindo uma margem cada vez maior.

 

O que não são startups…

 

Já que vimos qual é a definição de uma startup, é bom que fique bem claro também o que não é. Portanto, startups NÃO são… 

 

  • Somente negócios que atuam na internet…
  • Somente negócios que atuam diretamente com tecnologia…
  • Somente negócios que desenvolvem aplicativos…
  • Empreendimento franqueado… (ah, uma franquia não é uma startup mesmo!).

 

E você já tem um modelo de negócios definido? Já é dono de uma startup? Divida sua experiência conosco.


 

E você, o que pensa sobre o assunto? Gostou do artigo? Compartilhe conosco sua opinião. Não gostou? Acha que podemos melhorar? Então nos ajude a aprimorar nosso trabalho.

Siga o Startup Sorocaba no Facebook e cadastre-se para receber nossa newsletter e para ser informado sobre todas as novidades.

Compartilhe: