Embora não exista nenhuma regra para o sucesso, uma coisa é certa: desprezar alguns passos importantes na sua jornada empreendedora ou na criação da sua startup, pode ser sinônimo de retrabalho ou de perda de dinheiro (sem falar, é claro, nas frustrações que poderiam ser evitadas).

Mas se estamos falando de um ambiente de extrema incerteza, como é o de uma startup, será que é mesmo possível minimizar esses riscos otimizando os aprendizados? Vamos a uma sugestão para essa resposta.

 

Zero To Hero

 

Tradicionalmente utilizado em algumas edições do maior evento de empreendedorismo do mundo – o Startup Weekend -, o diagrama Zero to Hero serve para ajudar os empreendedores a traçar uma linha lógica, entre a ideia (zero) e o pitch (hero), no caso deste evento específico.

As etapas do Zero To Hero geralmente são:

 

  • Zero: ponto inicial ou ponto de partida do empreendedor;
  • Ideia: uma ou mais ideias de negócios que deverão ser validadas;
  • Validação do Problema: momento de verificar se a ideia corresponde a um problema real;
  • Validação da Solução: tendo o problema validade é hora de pensar na solução;
  • MVP: Mínimo Produto Viável ou solução mínima que se coloca à disposição do público-alvo para feedbacks;
  • Pitch: apresentação do modelo de negócios como um todo para convidados (geralmente empreendedores com mais experiência e/ou investidores).

 

No decorrer de um fim de semana (tempo de duração do Startup Weekend) os empreendedores são desafiados a criar um negócio do zero o que torna o evento ainda mais emocionante.

Esteja você participando de um evento ou não, deve utilizar outras ferramentas auxiliares para validar a sua startup e o modelo de negócios como: Canvas da Proposta de Valor, Business Model Canvas (BMC),  Validation Board, etc.

 

O ponto mais importantes do Zero To Hero

 

Embora o ponto mais importante do Zero To Hero possa ser associado ao Hero (ou ponto de chegada) existem fases intermediárias que serão responsáveis pela continuidade e sucesso do processo: as validações.

A interação com o público-alvo ou potencial usuário da sua solução trará feedbacks e insights valiosos, além de demonstrar, é claro, se você está no caminho certo, afinal, descobrir que você não resolve um problema e/ou que as pessoas não querem seu produto depois dele já criado não é nem de longe recomendável…

 

As vantagens de seguir o passo a passo para criação da sua startup

 

A ideia de qualquer “guia” não é inibir a criatividade, mas oferecer a lógica por trás do transformação de uma ideia em negócio. Confira outras vantagens deste modelo:

 

  • Contribui para manter o foco;
  • Ajuda a identificar em que momento você está;
  • Deixa claro o passo seguinte;
  • Permite fazer ajustes ao longo do caminho, para chegar ao melhor resultado;
  • Mostra um ponto de chegada (objetivo).

 

É claro que assim como outras ferramentas o Zero To Hero é apenas um meio, mas o mais importante é que você empreendedor tenha em mente que assim como muitas startups de sucesso é possível começar do zero.

 

0s 3 principais erros na criação de uma startup do zero

 

Embora a gente já tenha reforçado aqui inúmeras vezes que, existe um lógica por trás da criação de um novo negócio, muitos empreendedores ainda insistem em contrariá-la ou inverter a sua ordem, levando a startup ao fracasso rapidamente. A maioria das startups falham em função desses 3 erros:

 

  1. Acreditar que a sua ideia é a melhor do mundo: nós até desejamos que seja, mas antes disso provavelmente você terá que pivotar várias vezes até descobrir a solução, o produto, o modelo de negócios ideal. 
  2. Não ouvir os clientes: pra quê, não é verdade? O cliente é o que menos importa nesta equação. Sua intuição é o melhor indicador de que as coisas vão dar certo. Validação é para os fracos (SQN!);
  3. Investir na solução antecipadamente: sem ter um problema validado criar e desenvolver uma solução é jogar dinheiro fora. Esqueça a solução até ter a certeza de que você tem um problema que vale a pena resolver.  

 

Agora que você já sabe o que é e qual é a importância do Zero To Hero, que tal colocar à mão na massa? Get out of the building!


E você, o que pensa sobre o assunto? Gostou do artigo? Compartilhe conosco sua opinião. Não gostou? Acha que podemos melhorar? Então nos ajude a aprimorar nosso trabalho.

Siga o Startup Sorocaba no Facebook e cadastre-se para receber nossa newsletter e para ser informado sobre todas as novidades.

Compartilhe:

Inúmeras startups são criadas todos os dias, ao mesmo tempo em que muitas deixam de existir – em uma velocidade assustadoramente maior. Mas, por que e onde as startups geralmente falham? E o mais importante: como aprender com essas falhas?

Não tenha dúvida: praticamente todas as empresas de sucesso que admiramos hoje já vivenciaram muitas falhas, onde provavelmente também enfrentaram seus momentos de crises. Mas será que falhar é mesmo um “grande erro”? Não. Como dissemos em nosso post anterior (se você ainda não leu, acesse aqui) errar é indispensável para qualquer processo de evolução, mas é essencialmente necessário aprender com os erros – e o quanto antes. Portanto, saiba agora onde as startups mais falham.

 

8 motivos pelos quais as startups mais falham

 

falhas-startup-sorocaba

8 motivos pelos quais as startups mais falham

 

É claro que, ao analisarmos a falhas das startups que hoje são sinônimo de sucesso, iremos concluir que o contexto influenciou e muito, no entanto, listamos aqui os 8 principais motivos de falhas de uma startup, ou seja, onde elas MAIS falham:

 

  1. Pensar na rentabilidade, antes do cliente: essa certamente é uma das falhas que levam rapidamente uma startup ao fracasso. É claro que uma startup deve ter como um de seus objetivos ser rentável, afinal, é tida como uma organização com fins lucrativos e não filantrópicos, não é mesmo? Mas essa não deve ser nem de longe a prioridade de uma startup. Startups são negócios iniciais que, desenvolvidos em ambientes de extrema incerteza tentam validar o seu modelo de negócios, logo, se o negócio ainda deve ser validado é necessário então que haja mercado e clientes para tal.
  2. Não pensar grande: sua startup apresenta a solução para o problema de quantas pessoas? Atuar em nichos pode ser sempre um bom começo, mas é preciso também estimar o potencial de crescimento do seu mercado e é claro, antes disso, ter um produto ou serviço escalável, ou seja, possível de ser expandido.
  3. Não ter uma equipe excelente: não é de hoje que equipes de sucesso fazem startups de sucesso. Exija profissionais com perfis complementares e tão bons quanto você (não tenha medo da concorrência), afinal o sucesso do seu produto e da sua startup vai depender muito da qualidade da sua equipe. 
  4. Demorar para fazer o lançamento do seu produto: ideias inovadoras são lançadas todos os dias no mundo todo. Demorar para fazer o lançamento do seu produto pode fazer com que ele se torne obsoleto antes mesmo de ser lançado. Uma boa oportunidade de mercado também está associada ao momento ideal de apresentar a sua solução. Se não for possível fazer o lançamento da forma como você sempre imaginou, adeque sua estratégia mas não deixe de lançar o seu produto. 
  5. Não tomar decisões rápidas: muitos empreendedores ainda falham porque permanecem muito tempo analisando uma situação, sem tomar qualquer decisão e esse tempo é extremamente precioso quando falamos de startups – onde todo ambiente é ainda mais dinâmico (e você deve estar preparado para isso). Certa ou errada o melhor é tomar alguma decisão e preferencialmente de forma rápida, de maneira a evitar maiores problemas futuros ou aquele sentimento de “deveria ter feito antes”.
  6. Não inovar mais: muitas startups estagnam quando acreditam que o produto ou serviço que lançaram já são suficientemente bons, se esquecendo é claro que é preciso se reinventar sempre, afinal o mercado e as necessidades dos consumidores também mudam na velocidade da luz e não acompanhar essas tendências, pode levar sua startup rapidamente ao fracasso.
  7. Depender de um único cliente: ter um grande contrato faria de qualquer empreendedor e da sua startup uma pessoa e empresa mais feliz, não é mesmo? Nem sempre. É preciso avaliar todos os riscos envolvidos dos contratos exclusivos. Muitas vezes é melhor vender pouco para muitos clientes do que vencer muito para um cliente que hora ou outra pode deixá-lo na mão.
  8. Não controlar seus recursos: geralmente os recursos das startups são bem limitados e não controlá-los pode fazer com que você desperdice também grandes oportunidades. Assim, tenha em mente quais são os recursos indispensáveis para que sua startup cresça de maneira sustentável.  

 

Lembre-se: a maioria dos inovadores irá falhar e não há nada de errado nisso! A questão é o que você fará com o aprendizado proporcionado com essas falhas e experiências.

Se você gostou desse post, recomendamos que leia também o Ebook 50 histórias de fracassos de empreendedores


E você, o que pensa sobre o assunto? Gostou do artigo? Compartilhe conosco sua opinião. Não gostou? Acha que podemos melhorar? Então nos ajude a aprimorar nosso trabalho.

Siga o Startup Sorocaba no Facebook e cadastre-se para receber nossa newsletter e para ser informado sobre todas as novidades.

Compartilhe: