O termo startup pode ser e é facilmente associado à inovação e tecnologia, e geralmente remete a empresas como Google, Apple e outras que hoje são referências em seu mercado de atuação.

 

Mas, você sabe o que é uma startup?

 

O termo muito comum nos EUA, se popularizou aqui no país durante o advento da bolha da internet ou bolha das empresas .com (bolha especulativa caracterizada por uma alta das ações das novas empresas de tecnologia de informação e comunicação – TICs, no final da década de 90). Nesse fenômeno o preço de um ativo cresce aceleradamente em função apenas da especulação e no momento em que os especuladores começam a vender os ativos adquiridos para de fato gerarem lucro, as bolhas estouram.

Nesse contexto, startups eram definidas como um grupo de pessoas trabalhando a partir de uma ideia inovadora que, poderia ou não dar certo. O termo também era associado a empresas recentes, em fase de funcionamento.

 

Afinal, você sabe o que é uma Startup?

Afinal, você sabe o que é uma Startup?

 

Provavelmente você já viu e ouviu por aí inúmeras definições do que é uma startup. Alguns dizem que qualquer empresa jovem, em fase embrionária ou ainda em fase de constituição, implementação e organização de suas operações pode ser considerada uma startup. Outros defendem que é uma empresa com custos de manutenção muitos baixos, mas que ainda assim consegue crescer rapidamente e gerar lucros incrementais – sendo, portanto, sustentável por um período de tempo superior.

No entanto, uma recente definição parece ter agradado tanto empreendedores, quanto investidores é:

 

“Uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando com condições de extrema incerteza”.

 

Atuar em um ambiente de incerteza é cenário comum não apenas as startups, mas a todas as organizações que integram o ecossistema empreendedor, entretanto, encontrar um modelo de negócios que seja repetível e escalável confere as startups vantagem competitiva e estratégica.

Mas o que é necessário para um negócio ser repetível e escalável?

Ser repetível como o próprio nome sugere é ter a capacidade de entregar o mesmo produto ou serviço em escala potencialmente ilimitada (considerando poucas customizações ou adaptações). Você pode, por exemplo, vender a mesma unidade do produto várias vezes.

Ser escalável é ter a capacidade de crescer cada vez mais sem que isso impacte diretamente no modelo de negócios, ou seja, incrementar a receita sem necessariamente inflar os custos, até atingir um patamar em que a ordem receita x custo seja inversamente proporcional, garantindo uma margem cada vez maior.

 

O que não são startups…

 

Já que vimos qual é a definição de uma startup, é bom que fique bem claro também o que não é. Portanto, startups NÃO são… 

 

  • Negócios que atuam somente na internet…
  • Negócios que atuam exclusivamente com tecnologia…
  • Somente empresas que desenvolvem aplicativos…
  • Um empreendimento franqueado… (ah, uma franquia não é uma startup mesmo!).

 

E você já tem um modelo de negócios definido? Já é dono de uma startup? Divida sua experiência conosco.


 

E você, o que pensa sobre o assunto? Gostou do artigo? Compartilhe conosco sua opinião. Não gostou? Acha que podemos melhorar? Então nos ajude a aprimorar nosso trabalho.

Siga o Startup Sorocaba no Facebook e cadastre-se para receber nossa newsletter e para ser informado sobre todas as novidades.

Compartilhe:

Bacharel em Administração com ênfase em Marketing, especialista em Marketing (MBA em Vendas & Trade Marketing) com larga experiência, atuando no desenvolvimento de marcas, produtos e serviços, gerenciamento de projetos offline e projetos digitais. Presta consultoria na área de marketing, marketing digital e inovação, lecionando como professora convidada em cursos de graduação e MBA. Atuou como BizDev e Curadora de Projetos na Associação Brasileira de Startups (ABStartups) participando diretamente das edições do programa de acesso ao mercado Pitch Corporate (nas verticais Exportação, Educação, in-company), Pitch Gov SP, primeiro programa da América Latina em parceria com o Governo do Estado de São Paulo e da Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo (CASE), maior evento da América Latina neste segmento. Atualmente é Sub - Coordenadora do Comitê de Comunidades também na Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Sócia da 4 Legacy Ventures, fundadora do Startup Sorocaba e empreendedora digital, já criou inúmeros projetos digitais e contribuiu para o desenvolvimento de outros, tendo sido também parte da equipe de algumas startups. É uma das organizadoras do Google Business Group Sorocaba, atuando diretamente como manager do Google Business Group Women, além de embaixadora de alguns projetos nacionais e internacionais na área de empreendedorismo e tecnologia (como o Technovation Challenge). Já desenvolveu atividades na Campus Party 2015, ministrou palestras e cursos sobre empreendedorismo, empreendedorismo digital e startups. Foi curadora da arena “Tech4Teens” na Virada Empreendedora 2016, mentora convidada do Comitê Acelera da FIESP, Inovativa e de programas voltados para startups onde também já integrou bancas de jurados, avaliando projetos inovadores. É Community Manager da Techstars (uma das maiores aceleradoras do mundo) e Membro do Comitê da Rede Global de Empreendedorismo, atuando como uma das líderes locais em Sorocaba. Autora de dois livros pela Câmara Brasileira do Jovem Escritor, poetisa e aventureira nas horas vagas.