Você certamente já viu por aí várias dicas de como elaborar um pitch quase perfeito. Sim, é quase perfeito porque você será sempre pelo todo. Mas, não tenha dúvida: um pitch pode melhorar uma ideia ruim ou destruir uma excelente ideia.

 

Mas, o que é um pitch?

 

O que é um pitch e como   vender a sua ideia

O que é um pitch e como vender a sua ideia

 

Pitch é uma breve apresentação do seu projeto, serviço, produto, ideia para uma banca avaliadora ou investidores.

É importante ter dois modelos de pitch: 1) para oportunidades mais breves, algo em torno de um a três minutos (Elevator Pitch); 2) em apresentações mais estruturadas, o ideal é ter um pitch de até 30 minutos.

Seu pitch deve obrigatoriamente conter:

  • Oportunidade a ser explorada: problema identificado x oportunidade do mercado;
  • Solução: como a sua startup resolverá o problema encontrado. É preciso saber que tipo de problema a sua startup resolve;
  • Público-alvo: para quem a sua solução será vendida? Que grupo de pessoas estão dispostas a pagar pela solução que você está propondo? Quais são as dores ou necessidades desse público?
  • Diferenciais: porque o seu modelo de negócios é mais inovador que as soluções atuais? Qual é a sua vantagem competitiva? Quantas pessoas validaram a sua ideia?
  • Objetivos: a curto, médio e longo prazo. É sempre bom deixar claro aonde você quer chegar e o que precisa até lá!

É claro que não existe uma “fórmula” ou “modelo padrão”, mas saber o que já deu certo pode indicar o caminho que você poderá seguir, eliminando assim o seu trabalho e os riscos ao inovar em algo que nem sempre deve ser reinventado.

 

10 dicas para não errar no seu pitch

 

Participamos recentemente do Startup Weekend Jundiaí e um dos pontos altos do fim de semana foi, sem dúvida alguma, a palestra da Faby Lima da Tomokids em que ela falou sobre alguns erros já cometidos em suas apresentações.

Enumeramos algumas dicas dela e outras para que você não cometa os mesmos erros:

  1. Não se apresentar: parece óbvio, mas no nervosismo você pode até esquecer quem você é…
  2. Falar o que vier na sua cabeça: treinar pra que? A moda agora é improviso. SQN! Improvisar não parece ser a melhor alternativa para aqueles que querem convencer alguém a comprar sua ideia. Faça um roteiro e treine muito.
  3. Usar somente termos específicos: não! Sua inteligência ou a viabilidade do seu modelo de negócio não será avaliada pela quantidade de palavras difíceis que você citar durante o seu pitch. Seja simples! 
  4. Usar o mesmo pitch em todas as apresentações: afinal você não dará azar de encontrar um mesmo investidor, mais de uma vez né? Lembre-se: é preciso contextualizar seu pitch para cada objetivo e público.
  5. Não demonstrar entusiasmo pela ideia: se você não acreditar na sua ideia, fica a dica: não serão os juízes ou os investidores que vão ter que acreditar né? Isso vale para sua postura, entonação da voz, brilho nos olhos.
  6. Não interagir com o público: afinal, você está ali para falar e eles para te ouvir não é mesmo? Não! Empatia é muito importante para chamar a atenção do seu público.
  7. Não revise o seu pitch: procure fazer seu pitch dando atenção a cada detalhe, afinal o primeiro pitch é o que fica (e você pode não ter outra chance de mudar essa impressão). Revise suas apresentações, vídeos, tudo!
  8. Usar apenas vídeos e recursos audiovisuais: cuidado ao utilizar os recursos audiovisuais. Eles chamam a atenção e nós concordamos, mas eles devem ser utilizados como complemente e não substituem um pitch feito por você.
  9. Não ter um plano B: seu vídeo travou? Esqueceu a fala? O relógio está correndo e você não sabe o que fazer? Pois é… deveria ter pensando nisso antes…
  10. Não escute os feedbacks: ouça todos os conselhos, dicas e feedbacks com atenção dos avaliadores ou investidores. Eles podem dar subsídios para melhorar a sua ideia e o seu pitch.

 

3 ferramentas para fazer o seu pitch

 

Selecionamos 3 ferramentas para você fazer ou complementar o seu pitch. 

 

  1. Prezi 
  2. Go to animate
  3. Powtoon

 

Se você busca algumas outras inspirações de pitchs de empresas como Airbnb e Facebook confira aqui.

Para conhecer outros termos mais utilizados no universo do empreendedorismo consulte nosso Dicionários de Startups.  


E você, o que pensa sobre o assunto? Gostou do artigo? Compartilhe conosco sua opinião. Não gostou? Acha que podemos melhorar? Então nos ajude a aprimorar nosso trabalho.

Siga o Startup Sorocaba no Facebook e cadastre-se para receber nossa newsletter e para ser informado sobre todas as novidades.
Compartilhe:

Bacharel em Administração com ênfase em Marketing, especialista em Marketing (MBA em Vendas & Trade Marketing) com larga experiência, atuando no desenvolvimento de marcas, produtos e serviços, gerenciamento de projetos offline e projetos digitais. Presta consultoria na área de marketing, marketing digital e inovação, lecionando como professora convidada em cursos de graduação e MBA. Atuou como BizDev e Curadora de Projetos na Associação Brasileira de Startups (ABStartups) participando diretamente das edições do programa de acesso ao mercado Pitch Corporate (nas verticais Exportação, Educação, in-company), Pitch Gov SP, primeiro programa da América Latina em parceria com o Governo do Estado de São Paulo e da Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo (CASE), maior evento da América Latina neste segmento. Atualmente é Sub - Coordenadora do Comitê de Comunidades também na Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Sócia da 4 Legacy Ventures, fundadora do Startup Sorocaba e empreendedora digital, já criou inúmeros projetos digitais e contribuiu para o desenvolvimento de outros, tendo sido também parte da equipe de algumas startups. É uma das organizadoras do Google Business Group Sorocaba, atuando diretamente como manager do Google Business Group Women, além de embaixadora de alguns projetos nacionais e internacionais na área de empreendedorismo e tecnologia (como o Technovation Challenge). Já desenvolveu atividades na Campus Party 2015, ministrou palestras e cursos sobre empreendedorismo, empreendedorismo digital e startups. Foi curadora da arena “Tech4Teens” na Virada Empreendedora 2016, mentora convidada do Comitê Acelera da FIESP, Inovativa e de programas voltados para startups onde também já integrou bancas de jurados, avaliando projetos inovadores. É Community Manager da Techstars (uma das maiores aceleradoras do mundo) e Membro do Comitê da Rede Global de Empreendedorismo, atuando como uma das líderes locais em Sorocaba. Autora de dois livros pela Câmara Brasileira do Jovem Escritor, poetisa e aventureira nas horas vagas.