Inovar é preciso. Claro! E não seríamos doidos de dizer o contrário, afinal a inovação é a estratégia da saúde financeira e da própria sobrevivência principalmente no caso das startups. Mas será que toda inovação é mesmo necessária do ponto de vista do cliente? Será que o preço maior do seu produto ou serviço que é justificado pela inovação é mesmo um preço justo?

Há sempre o risco associado ao fato de NÃO inovar. Mas saiba que inovar por inovar também pode ser extremamente desvantajoso, além é claro de muito custoso…

 

inovacao-inovar-por-inovar-startup-sorocaba

Há sempre o risco associado ao fato de NÃO inovar. Mas saiba que inovar por inovar também pode ser extremamente perigoso…

 

Inovar ou não inovar? Eis a questão…

 

O ideal é se antecipar e liderar as mudanças. No mínimo, as empresas precisam se adaptar e cultivar algum nível de inovação para não perderem espaço no mercado e não desaparecerem.

 

Já falamos aqui sobre a inovação disruptiva e todo empreendedor sabe de cor que as empresas não crescem somente quando reduzem custos ou mesmo quando baixam o preço e ganham na margem, mas sim pela sua capacidade de INOVAR. 

A questão, portanto, não é INOVAR ou NÃO INOVAR, mas sim QUANDO e COMO inovar. O consultor e palestrante Luiz Marins diz que o que não agrega valor agrega custo – e esse é um ponto crucial para as startups, já que estamos falando de um ambiente de extrema incerteza.

Mas, então, como saber quando e como inovar? Confira essas dicas!

 

5 dicas para sua startup não ERRAR na hora de inovar

 

inovacao-os-perigos-de-inovar-por-inovar-startup-sorocaba

Inovação: 5 dicas para sua startup não ERRAR na hora de inovar

 

Embora não exista nenhuma regra para inovar, algumas dicas que até parecem ser meio óbvias podem ajudar a sua startup a não errar na hora de inovar, otimizando os recursos que, muitas vezes são muito mais escassos.

 

  1. Execute! Essa nem deveria ser uma dica dessa lista, mas vale a ressalva: ter ideias e inovar no papel é muito fácil. Mas é preciso colocar todas as ideias em prática. Toda inovação está atrelada a riscos, mas o maior deles ainda é o de não se arriscar. 
  2. Não se preocupe com dinheiro: comece pequeno, valide sua ideia e depois busque alternativas para expandi-la ou escalá-la. Na era da internet, inovar ficou muito mais rápido e barato.
  3. Esteja atento às tendências: desprezar as tendências é jogar fora o “mapa da mina” e novas oportunidades. Muitas “ditas” inovações falham justamente porque não levam em consideração o que futuro pode reservar. São soluções momentâneas, de curto prazo. Mas será que isso já não é tão previsível? Nem sempre. A inovação também pode vir da velocidade, ou seja, as chances podem ser as mesmas para todo mundo, mas ganhará certamente quem sair a frente e quem se lançar no timing certo.
  4. Pesquise muito: antes de sair por aí investindo tempo e dinheiro em algo que você não sabe se será aceito pelo mercado, pesquise quais soluções já existem para resolver o mesmo problema (e/ou se realmente resolvem aquilo a que se propõe e da forma como os consumidores realmente gostariam), qual o potencial do mercado (afinal, você não deve investir em algo que somente sua mãe compraria) ou seja, descubra se o mercado é suficientemente grande, quanto os consumidores pagariam, etc. Steve Blank diz que a inovação não é apenas implementar uma ideia criativa, mas sim procurar também uma forma de transformar algum aspecto da ideia em algo que os consumidores querem tanto, tanto que pagariam para ter.  Faz sentido, não faz?
  5. Falhe rapidamente e aprenda: sim! O processo de inovação também pode ser e é um importante processo de aprendizado. Seja flexível e permita que as ideias sejam abandonadas ou transformadas. Tente, tente novamente e tantas vezes forem preciso. Erre, erre novamente porque quando você erra, você aprende. Passe a ver os seus erros como uma forma de acumular informações e experiências de informação que poderá levá-lo a criar uma nova ideia – e não como fracasso.

 

Estamos na Era da individualização, da singularidade e da diferenciação e neste sentido toda inovação é bem-vinda! Mas, mais uma vez cuidado! Antes de mais nada é preciso que a inovação represente algum valor e para quem realmente interessa: o mercado!

Ah, e se você está precisando de inspiração ou ainda tem dúvidas sobre de onde vem as boas ideias, confira esse vídeo:

YouTube Preview Image


E você, o que pensa sobre o assunto? Gostou do artigo? Compartilhe conosco sua opinião. Não gostou? Acha que podemos melhorar? Então nos ajude a aprimorar nosso trabalho.

Siga o Startup Sorocaba no Facebook e cadastre-se para receber nossa newsletter e para ser informado sobre todas as novidades.

Compartilhe:

Bacharel em Administração com ênfase em Marketing, especialista em Marketing (MBA em Vendas & Trade Marketing) com larga experiência, atuando no desenvolvimento de marcas, produtos e serviços, gerenciamento de projetos offline e projetos digitais. Presta consultoria na área de marketing, marketing digital e inovação, lecionando como professora convidada em cursos de graduação e MBA. Atuou como BizDev e Curadora de Projetos na Associação Brasileira de Startups (ABStartups) participando diretamente das edições do programa de acesso ao mercado Pitch Corporate (nas verticais Exportação, Educação, in-company), Pitch Gov SP, primeiro programa da América Latina em parceria com o Governo do Estado de São Paulo e da Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo (CASE), maior evento da América Latina neste segmento. Atualmente é Sub - Coordenadora do Comitê de Comunidades também na Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Sócia da 4 Legacy Ventures, fundadora do Startup Sorocaba e empreendedora digital, já criou inúmeros projetos digitais e contribuiu para o desenvolvimento de outros, tendo sido também parte da equipe de algumas startups. É uma das organizadoras do Google Business Group Sorocaba, atuando diretamente como manager do Google Business Group Women, além de embaixadora de alguns projetos nacionais e internacionais na área de empreendedorismo e tecnologia (como o Technovation Challenge). Já desenvolveu atividades na Campus Party 2015, ministrou palestras e cursos sobre empreendedorismo, empreendedorismo digital e startups. Foi curadora da arena “Tech4Teens” na Virada Empreendedora 2016, mentora convidada do Comitê Acelera da FIESP, Inovativa e de programas voltados para startups onde também já integrou bancas de jurados, avaliando projetos inovadores. É Community Manager da Techstars (uma das maiores aceleradoras do mundo) e Membro do Comitê da Rede Global de Empreendedorismo, atuando como uma das líderes locais em Sorocaba. Autora de dois livros pela Câmara Brasileira do Jovem Escritor, poetisa e aventureira nas horas vagas.